Bulher
Mais LidasNotíciasPlástico

Maior uso de cloro na pandemia aquece setor de plásticos anticorrosão

Brasil fabrica equipamentos como válvulas, sistemas de medição e controle adequados para processos de produção de hipoclorito de sódio

A exigência por eficiência sanitária na pandemia trouxe a necessidade de ampliação no uso de produtos como o cloro e a água sanitária, capazes de eliminar microrganismos. E como são substâncias altamente agressivas, apenas determinados equipamentos podem ser usados em contato com esses fluidos.

O crescimento nas vendas foi sentido tanto por indústrias para tratamento de água que utilizam o cloro, como a De Nora, quanto por fábricas de válvulas e sistemas de medição e controle, como a GEMÜ do Brasil.

A De Nora, empresa italiana conta com o fornecimento de sistemas de tratamento de água para plataformas de petróleo offshore que utilizam hipoclorito de sódio para evitar o crescimento de algas dentro da tubulação.

Valderi Souza, responsável pela Engenharia e Assistência Técnica da empresa conta que o crescimento nas vendas desde o início da pandemia foi de 30%. “É crucial termos segurança antivazamento e anticorrosão em todo o sistema, e com isso os produtos que instalamos devem ser resistentes à corrosão”.

Entenda as vantagens do plástico contra vazamentos

O engenheiro explica que, visto que o hipoclorito é altamente corrosivo e um oxidante muito forte, o metal não é indicado nesses casos, e sim o plástico. “Pela compatibilidade, quando o fluido corrosivo entra em contato com os equipamentos, eles não sofrem ataque químico”.

Isso porque as características químicas e físicas dos diferentes fluidos operados em cada planta industrial exigem materiais específicos para os dutos e equipamentos com os quais terão contato. Para essa escolha, devem ser consideradas as condições de temperatura e pressão, com corpo da válvula e medidores de vazão construída em material plástico: PVC, PoliPropileno (PP) ou PVDF (fluoreto de polivinilideno).

Cada equipamento traz uma gama de aplicações – um aguenta temperaturas mais altas, outro, determinado produto químico, e assim por diante.

 Mateus Souza, gerente geral de vendas da área industrial da GEMÜ do Brasil, que desenvolve válvulas, sistemas de medição e controle para líquidos, explica “Em geral, os plásticos têm um peso baixo devido à densidade reduzida, são apropriados para a produção seriada, exigem poucas etapas de operação, vêm em cores variáveis, o que pode auxiliar na identificação de maquinário, possuem resistência à tração e elasticidade contra rupturas, bom comportamento interior de elasticidade e deformação, boas propriedades antifricção e alta resistência química”.

Outras tubulações que exigem o plástico por conta do cloro são os sistemas de piscina, estações de tratamento de água que realizam a dosagem do cloro, além de locais onde é utilizado o ácido sulfúrico.

Quer estar sempre informado sobre a indústria do plástico? Preencha o nosso formulário para receber novidades e conteúdo de qualidade do mercado plástico.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo