Bulher
Plástico pelo mundo

Plástico pelo Mundo: Plástico marinho reciclado, Plástico Autodestrutivo, Conversão de Plástico em Combustível

Acompanhe o que aconteceu essa semana no mundo do plástico

Empreendedora faz embalagens com plásticos retirados do oceano

A empreendedora Sarah Ribner está fazendo uma linha de desodorantes naturais e a embalagem dos produtos é feita justamente com o plástico marinho reciclado. Os invólucros são feitos por uma organização sem fins lucrativos que paga barcos de pesca para coletar resíduos do oceano. O plástico é limpo e transformado em novas embalagens com uso de energia solar.

A empreendedora explica que mudança veio da demanda de seus clientes, que escreveram perguntando quando a marca mudaria para embalagens mais sustentáveis. Ribner demorou cerca de um ano para encontrar um adequado e sustentável, e ela diz que muitas faziam o “greenwashing”, ou seja, fazer uma apropriação da causa ambiental sem realmente ter uma preocupação real com o meio ambiente.

Cientistas desenvolvem plástico que se autodestrói com ativação pelo calor e pela água

Uma pesquisa desenvolvida por cientistas da Universidade da Califórnia, em Berkeley, apresenta um processo que torna os plásticos biodegradáveis verdadeiramente compostáveis, o que faz com que até mesmo materiais de mais difícil decomposição, como tampas de copos, por exemplo, possam ser “quebrados” ao invés de irem parar nos aterros ou de contaminar outros plásticos recicláveis

Como solução para o problema, os pesquisadores desenvolveram uma forma de quebrar os plásticos compostáveis em poucas semanas usando calor e água. Para isso, acrescentam à produção do plástico enzimas que comem o poliéster e que permanecem envoltas por um invólucro de polímero. Ao serem expostas ao calor e à água, elas se livram desta cobertura e começam a triturar o plástico. Em resumo, o processo permite que o plástico se autodestrua. Esse novo polímero não forma microplásticos. Ou seja, as pequenas moléculas que se formam depois da degradação não são tóxicas e nem causam problemas ao longo da cadeia alimentar.

Cientistas criam método que converte plástico em combustível

Cientistas do Grupo de Inovação de Plásticos da Universidade de Delaware, nos Estados Unidos, criaram um método capaz de transformar plástico, que é um derivado do petróleo, em outros produtos também de origem fóssil. Os testes em laboratório conseguiram converter resíduos plásticos de uso único, como sacolas plásticos, recipientes de iogurte e garrafas plásticas, em moléculas prontas para uso como combustíveis e lubrificantes que seriam produzidos a partir do petróleo.

A pesquisa apresenta um novo catalisador que pode acelerar a quebra de plásticos que possuem um processo de reciclagem mais demorado, conhecidos como poliolefinas. Este tipo de polímero representa entre 60% e 70% de todos os plásticos produzidos atualmente. Além disso, o processo requer 50% do uso de energia normalmente utilizada para fazer a reciclagem desse tipo de produto e não libera dióxido de carbono na atmosfera. Este tipo de processo se encaixa no que é chamado de economia circular, que acontece quando produtos que não têm mais utilidade são transformados em algo novo e permitindo um reaproveitamento da matéria-prima usada na fabricação do item.

Quer estar sempre informado sobre a indústria do plástico? Preencha o nosso formulário para receber novidades e conteúdos de qualidade do mercado.

[dinamize-form id=”13211″]

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo