Super Finishing
DestaqueNotíciasPlástico

[Plástico pelo mundo]: fique por dentro das novidades

Veja as novidades da semana que acontecem pelo mundo do plástico

Recicladora de plástico desenvolvida pela Braskem será reciclada no espaço

O equipamento desenvolvido pela Braskem e pela Made In Space, é capaz de fazer a reciclagem de plástico em naves espaciais e transformar restos de embalagens em filamentos, em menos de dez horas.

Apresentada na Wallops Flight Facility, estação de voos da Nasa na Virgínia, no Estados Unidos, a recicladora estava em testes desde 2016. O seu tamanho e a sua estrutura lembram um microondas, com 50 cm de largura, 43 cm de profundida e 22 cm de altura.

Segundo Fabiana Quiroga, diretora de Economia Circular da Braskem na América Latina, “a recicladora em órbita poderá contribuir, por exemplo, com reposição de peças danificadas e produção de ferramentas sob demanda. Dessa forma, é possível fechar o ciclo do plástico na Estação Espacial, reduzindo a dependência de matérias-primas enviadas a partir da Terra”.

Startup do Chile transforma lixo plástico em pranchas de surfe

Prancha de surfe sustentável é criada pela Sustentabla. Com o objetivo de diminuir a poluição das praias e oceanos, no início de 2018, a startup chilena começou a desenvolver a primeira prancha de surfe 100% sustentável, a partir da transformação de resíduos plásticos em biocombustíveis sólidos, chamados de pellets.

Preocupada em usar a tecnologia para promover um impacto ambiental e social, a startup ajuda a promover a limpeza de praias e lugares de grande valor ecológico. Moradores locais, ONGs, escolas de surfe se envolver no trabalho.

O lixo plástico que for do tipo polietileno é levado para Santiago, capital do Chile, onde as indústrias especializadas os transformam em pellets, e por meio do processo de rotomoldagem, fazem as pranchas de surfe.

Projeto de jovens coleta plásticos para utilizar na construção civil

O grupo Guardiões das Águas do Purus coletaram nos últimos cincos meses 286 quilos de plásticos de comunidades ribeirinhas entre os municípios de Beruri e Tapauá, no baixo Purus.

Todo o resíduo coletado é usado para produzir “plastijolos”, uma tecnologia que permite compactar plásticos como garrafa PET até gerar um bloco que pode ser utilizado na construção civil em substituição ao tijolo comum e que possui mais durabilidade.  A ação dos jovens integra o movimento internacional “Ecobricks”.

Quer saber mais sobre a indústria do plástico? Preencha o nosso formulário para saber mais novidades receber os conteúdos de qualidade do mercado plástico.

Tag

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo