Plastico Brasil
Notícias

O que são resinas e quais suas variações?

Resinas sintéticas são polímeros que estão divididos em duas partes: resinas termofixas e resinas termoplásticas. A resina termoplástica é um polímero artificial que, a uma certa temperatura, apresenta alta viscosidade e proporciona a moldabilidade. Este tipo de resina apresenta variações como o PET, PEAD, PVC, PEBD, PP e PS, que serão detalhadas a seguir:

1 – PET

O polietileno tereftalato (PET) é classificado quimicamente como um polímero poliéster termoplástico e produzido industrialmente através da esterificação direta do ácido tereftálico purificado (PTA) com monoetileno glicol (MEG) – ou seja, esses dois elementos são misturados e formam uma pasta que, durante o processo de fabricação, reagirão entre si, passarão por cristalização e formarão o PET como é conhecido no mercado: grãos brancos e opacos.

A resina PET é um dos mais recentes materiais para embalagens e, embora seja largamente utilizada em todo mundo para este fim, é notável que garrafas para bebidas carbonatadas – refrigerante, águas com gás, cerveja e afins – tem diversas outras utilidades e é encontrada em diversos segmentos do mercado.

Algumas características fazem do PET o termoplástico preferido de muitos setores, como o alto desempenho em resistência mecânica, brilho e transparência e a leveza, que permite produzir garrafas e frascos de alta capacidade volumétrica.

2 – PEAD

O Polietileno de Alta Densidade (PEAD) é o mais importante entre as variações de polietilenos (PE), devido as suas características intrínsecas e, ao enorme volume consumido em nível global. A estrutura linear composta por apenas ramos laterais, que conduzem mais densidade e estrutura mais cristalina.

O polietileno é o polímero com a estrutura química mais simples, pois é obtido através da polimerização do eteno e, por isso, também pode ser conhecido como polieteno. Por ser constituído apenas de hidrogênio e carbono, o produto é atóxico e possui grande resistência química.

Devido seu peso molecular elevado, é indicado especialmente para fabricação de tubos – com excelentes propriedades mecânicas, físicas, químicas e hidráulicas, eles apresentam uma ótima resistência ao tensofissuramento e às deformações, o que garante durabilidade superior a 50 anos, além de possuir resistência a fotodegradação, por ser aditivado com o pigmento negro de fumo.

3 – PVC

O Policloreto de Vinila (PVC) é o segundo termoplástico mais consumido no mundo, atrás somente do polietileno. Este material é obtido a partir de 57% de insumos provenientes do sal marinho ou da terra, e 43% é proveniente de fontes não renováveis, como o petróleo e gás natural.

O PVC tem a versatilidade como grande diferencial, pois pode ser aplicado em tubos, forros, capas para celular, luvas, janelas, botas, calçados, roupas, cartões, entre outros.

Este material tem características importantes como a disponibilidade em ampla gama de propriedades, do PVC rígido ao flexível, alta resistência química, atóxico e inerte, resistente à ação de fungos, bactérias, insetos e roedores, é bom isolante térmico, elétrico e acústico, impermeável a gases e líquidos, não propaga chamas e tem longa vida útil.

4 – PEBD

O Polietileno de Baixa Densidade (PEBD) é uma resina plástica com baixa condutividade elétrica e térmica, muito utilizada em embalagens assépticas cartonadas. Por ser atóxico, flexível, leve, transparente, inerte, impermeável e de baixo custo, é indicado para peças que precisam ser mais em conta.

O PEBD pode ser aplicado em sacolas de todos os tipos (supermercados, boutiques, panificação, congelados, industriais e outros.), em embalagens automáticas de alimentos e produtos industriais como leite e água, stretch film, garrafas térmicas e outros produtos térmicos, frascos de cosméticos, medicamentos, alimentos e mangueiras para água.

5 – PP

O polipropileno ou polipropeno (PP), como também é conhecido, é um termoplástico derivado do propeno reciclável. Pode ser identificado em materiais através do símbolo triangular de reciclagem, com um número ‘5’ e as letras ‘PP’ por baixo.

Este termoplástico é um ‘polietileno melhorado’, pois as aplicações são realizadas onde há excelente resistência química do polietileno não é requisitada ou prioridade, sendo necessária maior resistência mecânica do produto final. O polipropileno é uma resina de baixa densidade que oferece um bom equilíbrio de propriedades térmicas, químicas e elétricas, acompanhadas de resistência moderada.

As características do polipropileno apresentam baixo custo, elevada resistência química, fácil moldagem e coloração, atóxico, alta resistência à fratura por flexão, boa resistência ao impacto acima de 15ºC, baixa absorção de umidade e sensível aos raios UV e agentes oxidantes.

As aplicações do PP podem ser realizadas em tanques, tubulações para produtos químicos, brinquedos, caixas para bebidas, filmes, embalagens para alimentos e cosméticos, tampas flip top, entre outras.

6 – PS

O poliestireno (PS) é um termoplástico duro, amorfo e transparente, polimerizado a partir do monômero de estireno e possui arranjo isotático (iPS), sindiotático (sPS) ou atático. Por ser um material barato e frágil, é muito empregado na fabricação de produtos descartáveis ou que necessitem de alta transparência. O poliestireno convencional é popularmente conhecido como PS cristal.

Os métodos de processamento mais comuns do PS são injeção, extrusão e termoformagem e tem características como baixo custo, fácil processamento e coloração, elevada transparência, baixa resistência ao impacto, baixa resistências às intempéries e propenso a problemas relacionadas a migração de plastificantes.

O PS pode ser aplicado a utensílios domésticos rígidos, transparentes ou não de uso generalizado, brinquedos, escovas, embalagens rígidas para cosméticos, embalagem rígida de disco compacto, corpo de canetas esferográficas, réguas, entre outros.

Artigos relacionados