Bulher
EmbalagemEmpresaNotíciasPlásticoSustentabilidade

Nova realidade no mercado de reciclagem traz desafios para Pro Life Reciclagem

Empresa discute como a falta de matéria-prima afeta o setor e como a matéria-prima reciclada ganha destaque

No cenário atual criado pelo novo coronavírus, foi possível ver uma pandemia comercial no mundo. A Pro Life Reciclagem, empresa de comércio de resinas recicladas e recuperadas, teve a sua produção modificada diante a nova situação em que vivemos.

Thales Aquino, diretor da Pro Life Reciclagem reflete que a pandemia comercial caracterizada pela escassez de matéria-prima, visto que durante muto tempo a cadeia de suprimentos não produziu, o tempo passou e a conta chegou. “Acabaram os estoques brasileiros e mundiais de resinas plásticas, e agora o mercado mira a reciclagem como oásis no deserto, porém não existe nada de romântico no oásis no deserto, ou seja, podemos encontrar o material, mas ele está sujo ou contaminado, e ainda assim, muito caro”.

O momento em que vivemos fez com que o mercado buscasse novas cotações, e por vezes por preços baixos. “De fato, de forma altiva, as redes de contatos se ampliaram e estão sendo cadastrados para a certeza de contato futuros e possível negócios e fornecimentos”, conta Aquino.

A empresa já é fabricante de resinas recicladas e recuperadas, e como os mercados têm buscado isso, discute a importância de produzir o material. A primeira importância dada é ao máquinas e seus equipamentos modernos, que trazem diferenciais competitivos, pois são capazes de produzirem em maior escala e com menor consumo de energia, entregando no final, um produto melhor.

Para seguir no processo, ainda é preciso ter a preocupação com o material entrante, este deve ser minuciosamente conhecido para que os parâmetros de operação sejam estabelecidos, de forma que não tenham degradação poliméricas. “A ideia é sempre investir, inclusive nas pessoas que cuidam das aparas na fonte geradora, para que seja garantida a procedência bem como a rastreabilidade das aparas a serem recicladas”, afirma Aquino.

Levando em consideração o mercado que se encontra com falta de matéria-prima, a vantagem do período é que aquilo que se possui no presente, é vendido rapidamente, devido a procura. “Até vendas no presente para fornecimentos futuros estão ocorrendo, tudo isso seria o cenário ideal, se não fosse a baixa disponibilidade de materiais para ofertar”, ressalta o diretor.

Aquino ainda deixa uma observação que “a percepção do mercado macro e as inferências dentro do meu micro, podem ser semelhantes ou destoar de outros atores do ramo, principalmente devido a dependência direta que tenho do grupo e que a Pro Life Reciclagem representa e vende seus produtos”.

Quer saber mais sobre a indústria do plástico? Preencha o nosso formulário para saber mais novidades receber os conteúdos de qualidade do mercado plástico.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo