Plastico Brasil
NotíciasPlástico

Manual de Orientações “Pellets Zero” foi lançado em São Paulo

Trabalho busca orientar para redução de pellets nos oceanos

No dia 15 de agosto de 2018 foi lançado o Manual de Orientações “Pellets Zero”, no Congresso de Atuação Responsável da Abiquim, em São Paulo (SP). Este trabalho é parte das ações realizadas pelo grupo, voltado à redução da entrada do lixo nos mares e vem para colaborar com os compromissos voluntários para a proteção dos mares, assumidos pelos governos de diversos países, inclusive o Brasil, durante a Conferência das Nações Unidas para Oceanos, em 2017.

O manual visa auxiliar a cadeia produtiva dos plásticos, empresas transportadoras, operadores logísticos, empresas de atendimento a emergências durante o manuseio, armazenagem e transporte, entre outros, a reduzirem a perda de pellets plásticos no ambiente marinho. O documento apresenta análise detalhada, mapeamento e entendimento dos diferentes processos de eventuais perdas desses materiais no ambiente, considerando toda a cadeia produtiva do país e apresenta uma série de orientações para mitigar essa questão.

Além do viés ambiental, o manual verifica a importância de considerar que a perda de pellets por parte das empresas gera prejuízos financeiros. O professor e pesquisador, Alexander Turra, do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IOUSP), um dos responsáveis pela elaboração do manual, explica que não existem dados oficiais que indiquem o quanto é perdido nas operações de manipulação e transporte desses produtos. “Mas o desenvolvimento de uma metodologia que evite essa perda nas operações de rotina, apesar de não ser percebida em um curto prazo, poderá representar ganhos ambientais e econômicos no longo prazo”, afirma Turra.

O Manual de Orientações “Pellets Zero”, teve como base o Programa Internacional Operation Clean Sweep e busca atender uma das metas previstas pelo Objetivo do Desenvolvimento Sustentável nº 14 (ODS-14), de, até 2025, “prevenir e reduzir significativamente a poluição marinha de todos os tipos, especialmente a advinda de atividades terrestres, incluindo detritos marinhos e a poluição por nutrientes”. Além disso, vem para colaborar com os compromissos voluntários para a proteção dos mares, assumidos pelos governos de diversos países, inclusive o Brasil e, por organizações intencionais da sociedade civil, durante a Conferência das Nações Unidas para os Oceanos, em 2017.

O documento foi produzido como parte do convênio entre a Plastivida (Instituto Socioambiental do Plástico) e o Laboratório de Manejo, Ecologia e Conservação Marinha do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo. Além disso, contou com a participação ativa do “Fórum Setorial dos Plásticos – por um mar limpo”, que conta com 16 signatários entre empresas e instituições, com o objetivo de conhecer a fundo a questão dos lixos nos mares e promover soluções para este problema.

Segundo Miguel Bahiense, presidente da Plastivida, trata-se de um material de grande importância para que se avance nos trabalhos de mitigação da poluição marinha. “Desenvolvemos um manual informativo e que promove ações práticas para que os plásticos cumpram sua função de gerar benefícios à sociedade, de forma sustentável”, afirma o executivo.

Quer saber mais novidades sobre o mercado do plástico? Preencha o formulário abaixo e receba matérias segmentadas!

Tag

Artigos relacionados